Solidão entre pessoas idosas é um risco para a saúde; aponta pesquisa
30/08/2023

Solidão entre pessoas idosas é um risco para a saúde; aponta pesquisa

O estudo brasileiro sobre o tema foi publicada na revista científica Cadernos de Saúde Pública

A solitude é um isolamento voluntário. Um tempo em que se escolhe estar sozinho e aproveitar esse momento da melhor forma possível. Já a solidão não é uma escolha e pode estar relacionado com tristeza e ausência de companhia. Mesmo que ela não seja positiva para ninguém, a solidão entre pessoas idosas pode ser ainda pior. O isolamento desse grupo pode trazer riscos à saúde, como provocar depressão e ansiedade.

Em julho deste ano, uma pesquisa brasileira sobre o tema foi publicada na revista científica Cadernos de Saúde Pública, da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz). O estudo apontou que boa parte das pessoas idosas no Brasil estão solitárias. Ao todo, 9.412 pessoas foram analisadas e 16% afirmaram se sentir sozinhos o tempo inteiro.

Existem inúmeros fatores que podem levar a esse isolamento. O envelhecimento traz consigo mudanças como perda de amigos, aposentadoria, alteração da estrutura familiar e até mesmo o etarismo. Todas as oscilações podem contribuir para a sensação de solidão.

Consequências da solidão entre pessoas idosas

Entre as principais consequências da solidão entre pessoas idosas estão a ansiedade, a depressão e o declínio funcional, que acontece pela falta de estímulos físicos e cognitivos. A pesquisa brasileira mostra que a sensação de solidão está relacionada ao aparecimento de sintomas depressivos e vice-versa. Ou seja, esse transtorno psicológico também pode levar ao isolamento social.

Diante da idade e das mudanças que acompanham o envelhecimento, as pessoas idosas são as que experimentam uma solidão mais problemática. Isso porque, junto com o processo de envelhecimento, o corpo pode trazer diversos sintomas que causam algum tipo de declínio. Principalmente os relacionados a problemas cognitivos.

Além disso, um outro estudo, publicado na revista Neurology, mostra que existe uma relação entre a solidão de pessoas idosas com a probabilidade de uma maior perda de volume total do cérebro. Com o encolhimento desse órgão, algumas áreas podem ser afetadas e levar à demência.

Mudança de hábitos pode impactar a solidão entre pessoas idosas

Muito se fala sobre boas práticas que levam à longevidade. Os estudos apontam que atividades físicas, alimentação equilibrada e socialização são hábitos que fazem bem durante o processo de envelhecimento.

Por isso, estar sempre ativo, ter núcleos de convivência, boas noites de sono e buscar um propósito de vida são práticas que podem combater a solidão entre pessoas idosas. Além disso, por que não buscar a companhia de um animal de estimação? Pesquisas revelam que o contato com pets ajuda no bem-estar físico e emocional das pessoas.


O acompanhamento psicológico é uma boa forma de cuidar com problemas psicológicos e com a solidão.ar uma segunda opinião, novo diagnóstico ou ajudar em protocolos de tratamento de doença grave.

Fonte: Instituto Longevidade – MAG

Outras notícias

Representantes da Epagri recebem treinamento
Ceres reajusta Valor de Referência dos planos de benefícios
Ceres presente na 22ª Plenária Nacional do SINPAF
Ceres antecipa 13º para assistidos do RS